Entre os integrantes do setor da construção civil a opinião é unânime. Eles são contrários a proposta da prefeitura de reajuste do IPTU e do ITBI, que é o imposto sobre a transmissão de bens imóveis.
A insatisfação foi exposta na audiência pública que lotou um dos auditórios da Câmara de Vereadores na tarde de ontem.

De acordo com os projetos, o IPTU teria aumento de 5 e 8% mais o IPCA,projetado em 6,39%. A alíquota do ITBI passaria de 2,4 para 2,9%.

Para Luiz Antônio Laurentino, presidente do SECOVI, Sindicato da Habitação e Condomínios, não há justificativas para os reajustes.

O empresário do ramo imobiliário, Gilmar Mazieiro, avalia que o momento econômico não é favorável para aumentos e cobrou a retirada dos projetos.

A secretária municipal de finanças, Eleonora Fruet, respondeu a todos os questionamentos e rebateu as críticas.

O líder do Prefeito na Casa, o vereador Pedro Paulo, do PT, reforçou que os aumentos são inevitáveis para colocar em dia as contas do município e que os valores estão há 11 anos desatualizados.
Os dois projetos, que reajustam o IPTU e o ITBI estão sendo analisados pela Procuradoria Jurídica da Câmara. Em seguida,começam a tramitar nas comissões permanentes da Casa. A matéria deve ir à plenário em meados de dezembro.

Fonte: CBN Curitiba

Feira de Imóveis do Paraná 2015. O maior evento do setor imobiliário do Paraná. Saiba mais em contato@markmesse.com.br ou 41-3521-6226.